Michael Jackson

videoclip de MIchael Jackson é considerado o mais caro da história da música!

Segundo a revista Forbes, o video clip “Scream” de 1995 é considerado o mais caro de todos os tempos!S

Um videoclipe de 4:46 minutos foi produzido para promover a canção. Consta no Guinness World Records que esse videoclipe foi o mais caro da história da música. Orçado em cerca de US$ 7 milhões, a despesa vai de US$600.000 o custo de 11 dias a gravação; U$S 175.000 nas luzes; U$S 80.000 gastos no telão;US$40.000 na coreografia. A história consiste em uma sequência em preto-branco de Jackson e sua irmã Janet dentro de uma nave espacial vagando pelo espaço. Sozinhos, fugindo da Terra, eles se divertem e relaxavam ao mesmo tempo em que brincam com a ausência da gravidade. É uma referência a reabilitação dos famosos e a fuga da imprensa. O vídeo tem também muitos animes japoneses, que vão desde o figurino e ambientação até as expressões físicas dos cantores.
Hoje com correções o custo do Clip seria de S$10,7 milhões.
(Pesquisa: Extra.Globo.com-Wiquipédia.)

Médico de Michael Jackson foi condenado por homicídio culposo.

Médico foi condenado por homicídio culposo, sem a intenção de matar.
Julgamento começou em 27/9 e sentença final sairá em 29 de novembro.
O médico Conrad Murray foi declarado culpado nesta segunda-feira (7) do processo em que era acusado do homicídio culposo (quando não há intenção de matar) de Michael Jackson. A sentença definitiva será anunciada apenas em 29 de novembro.

.
A declaração foi lida por Sammie Benson auxiliar da Corte de Los Angeles duas horas após o júri ter chegado a um veredicto

unânime. Ao final da declaração, Benson disse que o júri o condenava a quatro anos de prisão. Mas a sentença não é definitiva

devido a um pedido feito pelos advogados de Murray.

A decisão, que estava programada para sair às 19h (do horário de Brasília; 13h em Los Angeles), atrasou por conta do próprio

Murray, que estava com a família em Santa Monica e demorou para chegar ao tribunal, no centro de Los Angeles. Ele ouviu a

declaração acompanhado da mãe e de Nicole Alvarez, sua namorada.
Conrad Murray é algemado após decisão do júri

Já os familiares de Jackson, como seus pais e irmãos, compareceram ao local antes das 18h45. A decisão foi comemorada por fãs de Michael jackson, que acompanharam tudo do lado de fora da Corte de Los Angeles.

(pesquisa: Globo.com)

Terminou o julgamento do médico de Michael Jackson. O veredicto pode sair nesta segunda-feira. (o7-11-2011)

   Chegou ao fim o julgamento de Conrad Murray, o médico pessoal de Michael Jackson, acusado de homicídio involuntário. Na

quinta-feira foram ouvidas as alegações finais da defesa e da acusação e espera-se agora o veredicto do júri, que se reunirá hoje

em Los Angeles, nos Estados Unidos.

A acusação não tem dúvidas: o médico é culpado na morte do cantor. Mas a defesa alega que Michael

Jackson automedicou-se sem o conhecimento do médico, provocando a sua própria morte. Se for condenado, Conrad Murray pode

enfrentar uma pena que pode chegar  até a  quatro anos de prisão.
Do lado da acusação o desfecho deste caso só pode ser a condenação do médico, alegando que Conrad Murray administrou uma dose

demasiado forte de propofol ao cantor, que tinha problemas em dormir, sabendo que este medicamento não era o indicado para a

situação, uma vez que é normalmente usado em grandes cirurgias. De acordo com um gráfico que a acusação mostrou em tribunal, em

dois meses, Murray adminstrou a Michael Jackson cerca de 15 litros desta forte substância. Tendo em conta o cenário, o médico

deveria estar preparado para qualquer eventualidade e pronto a socorrer o cantor, o que não aconteceu no dia 25 de Junho, quando

Michael Jackson morreu de parada cardíaca. O advogado de acusação explicou que desde o momento em que Michael Jackson se sentiu mal até Conrad Murray ter ligado para o 112 passaram cerca de 25 minutos. “Uma grande negligência”.

pesquisa: Jornal público-Globo.com-TMZ-

Começou hoje em Los Angeles o julgamento do médico de Michael Jackson.

A promotoria do caso que julga o médico Conrad Murray por ter sido culpado pela morte de Michael Jackson, exibiu como pano de fundo em sua apresentação uma suposta imagem do astro pop morto filmada pela rede de televisão norte-americana ABC.

O promotor David Walgren acusou o médico de “grosseira negligência”, nesta terça-feira (27), em Los Angeles, apresentando evidências de que o médico comprou, ao longo de mais de dois meses, cerca de 15,5 litros de Propofol, anestésico que aplicava no cantor quase todas as noites.

Em sua acusação, Walgren também apresentou ligações telefônicas de Michael Jackson a Murray, falando, muito debilitado, que seus shows teriam que ser um fenômeno. “Quero que pessoas saiam do meu show falando: ‘eu nunca mais verei isso de novo'”, disse o cantor no dia 10 de maio de 2009.

Walgren ainda disse que o Dr. Murray só chamou o resgate médico 24 minutos depois de encontrar o cantor inconsciente e negou aos médicos ter dado Propofol a Michael Jackson.

– Michael administrou uma dose de propofol sozinho quando Murray deixou o quarto. Somado ao lorazepan, isso criou uma tempestade que causou sua morte. Quando Murray voltou, não adiantava fazer CPR. Ele morreu tão rapidamente que seus olhos ainda estavam abertos.

Segundo a defesa do médico, Murray estava tentando fazer com que Michael parasse de usar propofol para dormir usando outros sedativos e por isso na noite anterior à morte do cantor o anestésico não foi administrado. Segundo Chernoff, a situação do cantor era tão grave cinco dias antes de sua morte que representante da AEG, empresa responsável pela turnê “This is It”, fizeram uma reunião na casa do cantor e consideraram cancelarem os shows. Depois dessa reunião, Jackson teria deixado claro para Murray que precisava do remédio para dormir ou a turnê não aconteceria. O médico chorou em determinado momento do discurso de seu advogado

Testemunhos

O coreógrafo e diretor da turnê “This is It”, Kenny Ortega, foi a primeira testemunha a depor.

Kenny disse que no início da produção da turnê ele se encontrava com Michael cerca de três a quatro vezes por semana. O promotor perguntou se os filhos do cantor iam aos ensaios: “Não. Ele pretendia levá-los aos shows em Londres e queria que eles se concentrassem nos estudos”, explicou Kenny.

O promotor demonstrou preocupação com a carga horária dos ensaios e perguntou quantas horas de ensaio por dia o cantor costumava fazer: “De sete a oito horas envolvendo ensaio físico e discussão de detalhes da produção”, respondeu o coreógrafo.

Durante o testemunho, Kenny revelou que no fim do mês de junho de 2009, Michael começou a faltar alguns ensaios e que no dia 19 de junho apareceu doente: “Ele não estava bem, parecia perdido e estava incoerente”. Ainda segundo Ortega, ele se sentou com Michael para observar o ensaio e o cobriu com uma manta: “Trouxe comida e massagiei seus pés. Neste dia, ele deixou o ensaio mais cedo”.

Em email enviado ao CEO da AEG, empresa responsável pela turnê, Ortega demonstrou sua preocupação com o estado de saúde do cantor. No documento, Ortega diz achar necessário que Michael tivesse acompanhamento de um terapeuta e que os figurinistas repararam que o cantor tinha perdido peso. Além disso, Conrad Murray é mencionado: “Tentei entrar em contato com o médico dele, mas não consegui”.

Murray confrontou Ortega durante uma reunião na casa de Michael Jackson dizendo que ele não deveria agir como um médico e que Michael estava física e emocionalmente capaz de lidar com as responsabilidades do show: “Eu discordei”, declarou Ortega.

Nos dias 23 e 24 de junho de 2009, Jackson apareceu nos ensaios: “Era um Michael diferente. Ele estava disposto e cheio de energia”, declarou o coreógrafo. No dia 25 de junho, o coreógrafo recebeu uma ligação do produtor Paul Gongaware dizendo que o cantor havia sido levado para o hospital de ambulância. Momentos depois, o produtor retornou a ligação: “Nós o perdemos”, disse a Ortega.

A segunda testemunha chamada para depor foi o produtor Paul Gongaware. Segundo ele, os ingressos para os dez primeiros shows foram vendidos em poucos minutos e Michael queria adicionar mais 21, somando um total de 31 apresentações. Paul disse ainda que Michael queria que Murray fosse seu médico durante a turnê e que chegou a oferecer US$1,5 milhão para que Murray fechasse o contrato e viajasse com ele.

Consulta:( Globo.com, EGO-noticias, Terra, Band.)

Cascio’s family, amigos de Michael Jackson revelam momentos felizes do cantor.

A familia Cascio’s, revelou que durante muitos anos Michael Jackson frequentava a residencia deles onde se sentia muito a vontade, andava de pijama pela casa, compunha músicas, cantava e ensaiava coreagrafias de dança, com o amigo Eddie Cascio. Enfim lá era um lugar seguro onde ele podia estar tranquilo.

Connie Cascio disse que gostava muito de preparar as  comidas preferidas do Rei do Pop, e que nunca perceberam  o uso de drogas e ficaram muito surpresos com a acusação de pedofilia, acham mesmo que tudo foi causado por dinheiro. Durante muitos anos mantiveram essa amizade, muitas vezes ele  levou os filhos para visitá-los.

Móveis feitos especialmente para Michael Jackson vão a Leilão.

LOS ANGELES (Reuters) – Cerca de 22 móveis feitos especialmente para Michael Jackson, como uma poltrona de couro adornada com cristais e folhas de ouro, serão leiloados em junho, disseram os organizadores do evento.

A casa Julien’s Auctions disse que os móveis foram encomendados pelo cantor, para mobiliar uma casa perto de Londres, que planejava alugar durante a temporada de shows que faria na cidade no ano passado.


A coleção, preparada pela fábrica italiana de mobiliário de luxo Colombostile, inclui duas poltronas de veludo vermelho com bordados de águias, uma poltrona com estampa de leopardo e enfeitada com penas de avestruz, um sofá vermelho com dourado.

O preço estimado é de 16,5 mil a 150 mil dólares por item.O leilão ocorrerá em 25 de junho, aniversário da morte do cantor, em Las Vegas. Antes, haverá exposições na Irlanda e Las Vegas, recriando a casa que Michael Jackson não chegou a ter, conforme a Julien’s.

O leilão também inclui dezenas de outros itens da vida e obra de Jackson, como uma jaqueta assinada

que ele vestiu no clipe de “Beat It”, um par das suas famosas luvas brancas, e pinturas que estavam no Rancho Neverland, sua casa na Califórnia.